Metodologia Intera

As informações mais recentes sobre a metodologia INTERA estão descritas no livro seguinte livro disponível gratuitamente para download: Objetos de Aprendizagem volume 2 – Metodologia INTERA de desenvolvimento.

O livro também está disponível na biblioteca da UFABC.

Caso você utilize algum conteúdo do livro, por favor, referencie os pesquisadores do grupo INTERA.

A seguir algumas questões que motivaram o desenvolvimento da metodologia INTERA.

•Quem concebe a ideia de um OA?

  • A ideia de um OA, em geral sai da cabeça do professor, pois é ele quem conhece bem do assunto

•Quem desenvolve um Objeto de Aprendizagem? Será o Professor?

  • Em alguns casos pode ser que sim, mas em geral ele não possui o conhecimento para desenvolver mas possui a idéia.

Para que serve a metodologia INTERA?

- Guiar o desenvolvimento dos objetos de aprendizagem

–Unir os conceitos pedagógicos com os conceitos da área de ciência da computação

–Ser um complemento dos processos já existentes para o desenvolvimento de objetos de aprendizagem do tipo: animações, vídeos, softwares (games, simuladores, etc)

–A metodologia não pretender SUBSTITUIR os processos já existentes, mas sim complementá-los

–Facilitar a comunicação entre a equipe multidisciplinar.
–É focada para o desenvolvimento dentro de instituições de ensino pública, mas pode ser utilizada em amentes privados também.

A ideia de um OA sempre sai da cabeça de alguém que conhece o conteúdo, mas em geral, esse idealizador não possui o conhecimento das ferramentas de desenvolvimento

O desenvolvimento de Oas não pode ser considerado algo trivial, pelos seguintes motivos:
–Tipos de objetos distintos: exige equipe técnica especializada em imagens, vídeos, softwares, etc
–Equipe multidisciplinar: a comunicação pode ser um problema
–Envolve custo, principalmente recursos humanos
–Necessidade de gerenciamento de custos, recursos, tempo
–Em ambiente acadêmico: nem sempre os professores podem estar envolvidos 100% no processo

Se não houver processo?
–O OA pode ficar somente na ideia (não ser concluído)
–O OA não é “bem aquilo” que o professor esperava
–A qualidade do que for produzido pode ser baixa

UFABC propões uma NOVA metodologia

Intera – Inteligência em Tecnologias Educacionais e Recursos Acessíveis

Processos
•Ciclo de Vida
•Papéis
•Etapas
•Artefatos

Ciclo de Vida
•Interativo
•Contém as fases:
Ideação: entendimento do aluno e contexto pedagógico e apresentação de requisitos para uma solução de OA a partir disso–Ideação
Produção: Desenvolvimento de um OA e Testes–Produção
Reuso: Através da disponibilização do OA e Avaliação pedagógica em campo busca-se a melhoria contínua para aumentar o reuso

Papéis
•Os papéis não são pessoas; pelo contrário, eles descrevem como as pessoas se comportam no projeto e quais são as responsabilidades que elas têm.

•Coordenador: Responsável por planejar e gerenciar o projeto de desenvolvimento do AO. Faz parte de suas atribuições manter a comunicação entre a equipe, acompanhar o cronograma;
•Analista: Responsável em fazer o levantamento e análise do contexto e dos requisitos do OA. Também é responsável por elaborar o planejamento da qualidade e dos testes do OA.
•Designer Pedagógico: Responsável por realizar o planejamento pedagógico do AO. Também faz parte de suas atribuições propor uma avaliação pedagógica do AO. Constrói o desenho do ambiente de aprendizagem, avalia os processos de construção e uso do curso.
•Testador: Responsável por executar testes realizados no OA.

•Demandante: responsável por conceber a ideia do objeto de aprendizagem que será desenvolvido. Pode auxiliar nos testes.
•Conteudista: Elaboração ou reutilização das situações didáticas e de conteúdo, incluindo pesquisa de conteúdo, mapeamento do conteúdo a ser abordado, especificação de conteúdos adicionais e avaliação do conteúdo na etapa de desenvolvimento. Responsável por manter a integridade do conteúdo do OA realizando várias revisões de conteúdo no mesmo. Deverá manter o AO dentro do contexto no qual ele foi concebido.
•Equipe de desenvolvimento: essa equipe deverá ser formada por profissionais que realizam o desenvolvimento de um OA. Ela vai variar de acordo com o tipo de AO. Exemplos: se o AO for um vídeo, a equipe deverá possuir técnicos em produção de vídeo. Se o OA for um software, a equipe deverá constituir de programadores.
Um integrante poderá possuir mais de um papel

Artefatos
•São produtos resultante de algum trabalho realizado pela equipe
•Exemplos de artefatos
–Arquivos textos
–Imagens
–Mapa de atividades
–Sumário executivo
–Story Board
–Planilhas de testes

Etapa de Contextualização
•Capturar e analisar as informações sobre o contexto e cenário em que o Objeto de aprendizagem será inserido.

Entradas
•Ementas
•Cenários
•Informações sobre alunos
•Objetivos Pedagógicos
•Reuso contextual
•Guia de coleta de contextualização

Técnicas
•Entrevistas
•Preenchimento de Formulários
•Diagnóstico de Contextos

Saídas
•Relatório de análise de contexto

Contextualização
•A seguir um Guia para coleta da contextualização oferecida pela metodologia INTERA
•Esse guia é um ARTEFATO

Contextualizar um Objeto de Aprendizagem
Nome do autor: Fulano de Tal
Data: 30/07/2012
Contextualização do O.A.
1. Caracterização do O.A.
1.1 Tipo do O.A.: página da Web
1.2 Área de conhecimento: Ciências Exatas e da Terra
1.3 Disciplina principal: Inteligência Artificial
1.4 Ementa em que o OA se encaixa: Resolução de problemas utilizando estratégias de busca
1.5 Tópicos dentro da ementa: Buca cega; busca heurística e busca competitiva
1.6 Tecnologia utilizada para desenvolvimento do O.A.: HTML
1.7 Descreva brevemente o O.A.: Este O.A. apresenta diferentes estratégias de busca, que se dividem em quatro tipos: cega, heurística, competitiva e com restrições.
1.8 Público Alvo: Estudantes do ensino superior
1.9 Grau de escolaridade: Ensino superior (estar cursando)
1.12 Fluência tecnológica: navegação básica na Web
1.13 Objetivos pedagógicos que se deseja atingir: Favorecer a aprendizagem, desenvolver os estudos independentes, sistemáticos e o auto aprendizado, bem como direcionar o estudante para a emancipação intelectual, entre outros
1.14 Desempenho atual: Aluno possui dificuldades no entendimento das estratégias de busca.
1.15 Desempenho esperado: Aluno aprende as diferentes estratégias de busca consideradas.
2. Reusabilidade do OA
2.1 Disciplinas que o OA também poderá ser utilizado: Estruturas de Dados I
2.2 Tópicos dentro das disciplinas: Busca cega, heurística, competitiva e com restrições.
2.3 Componentes do OA: i) Explicação dos conceitos e fundamentos relacionados com cada uma destas estratégias e ii) aplicações das técnicas a problemas reais.
2.4 Problema pedagógico que o O.A. pode solucionar: Aplicações das técnicas a problemas reais, de uma maneira interativa, de forma que o aluno compreenda as limitações e vantagens de cada estratégia. O aluno participará ativamente do seu processo de aprendizagem e o avaliará a cada momento.
2.5. Como o O.A. pode contribuir para a solução do problema pedagógico:Espera-se que, por meio desta página, o estudante possa aprender as características, vantagens e limitações de cada uma das estratégias de busca consideradas, bem como utilizá-las na resolução de diferentes problemas reais.
3. Cenário de uso do OA
3.1 Modalidade: A distância ou presencial
3.2 Descrição do cenário: As explicações contidas na página da Web não têm a necessidade de explicação prévia pelo professor. Posteriormente, o professor pode sugerir várias atividades relacionadas ao uso de estratégias de busca na resolução de problemas. Este O.A. destaca-se por ser acessível, sendo que pode ser utilizado também por pessoas com deficiência visual, por ser lido pelo software leitor de tela NVDA.

Requisitos
•Objetivo
–Coletar e Analisar os requisitos que o objeto de aprendizagem deverá conter

Segundo o dicionário Michaelis, o termo requisito possui os seguintes significados:
•“1 Condição a que se deve satisfazer para que uma coisa fique legal e regular. 2 Exigência imprescindível para a consecução de certo fim. 3 Qualidades, dotes, predicados exigidos para certa profissão”;
•O termo requisito também pode ser sinônimo de: exigência, quesito ou condição.

•Dentro do contexto de nosso curso, os requisitos dos Objetos de Aprendizagem são os quesitos necessários e indispensáveis para a sua produção final.

Entradas
•Relatório de análise de contexto
•Guia de coleta de requisitos

Técnicas
•Entrevistas
•Preenchimento de Formulários
•“Brain Storm” (mapas conceituais)
•Etnografia

Saídas
•Documento de Especificação de Requisitos

•Etapa de coleta
–Artefato: guia de coleta de requisitos oferecido pela metodologia INTERA

•Quais os requisitos didáticos-pedagógicos o OA deverá conter?
O OA deve ser organizado em três partes:
–Ensinar (apresentar conceito)
–Exemplificar
–Exercitar aprendizagem (exercícios)
O OA deve apresentar o conceito sobre desvio condicional simples e composto
O OA deve garantir a aprendizagem significativa e construtivista em que o aluno possa construir seu conhecimento sobre os conceitos através da interação com o OA.

Quais os conceitos seu OA deverá ensinar? Se necessário desenhe o mapa conceitual:

mapa

Requisitos
•Quais os requisitos funcionais o OA deverá conter?
–O OA deve permitir que o aluno entre com dados para que o mesmo possa interagir como o mesmo
–O OA deve permitir botões para avançar, retroceder e parar

Requisitos
•Como você imagina que seu OA possa ser dividido de forma a ser reutilizado em outro contexto?
–O OA deve permitir que os conceitos de desvio condicional simples e composto possam ser apresentados juntos ou em separados, garantindo assim que o mesmo possa ser reusado em outras disciplinas ou no ensino individual de cada um.
–Conforme mostrado no mapa conceitual preliminar o OA pode ser dividido em pelo menos três pequenos objetos, esses podem ser utilizados juntos ou separados dessa forma garantir a reusabilidade.
•Como deverá ser a interface com o usuário do seu OA? (cores, layout)?
–Deverá possuir o logotipo e as cores do Intera. Vericiar no documento: layout.ppt anexo a este.
•Seu OA necessita de manual para o professor e aluno?
Não sei informar ainda com certeza, mas acredito que sim.
Requisitos
•O seu OA deverá ter diferentes permissões de acesso?
–Não.
•Onde o seu OA deverá ser armazenado?
–O OA será disponibilizado em repositório Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) TIDIA-AE que já vem sendo utilizado pela Universidade para oferecer cursos a distância e além disso provê aos professores de ensino presencial a opção de disponibilizar material para seus alunos.
•Como será a forma de licenciamento do seu OA?
–Deverá seguir as regras de licenciamento da UAB

Design
•Objetivo
–Nessa fase ocorre:
–Esboço do OA
– a decomposição e modularização OA de grande porte em uma série de pequenos entes independentes e reutilizáveis.
–Também ocorre a definição final das melhores tecnologias que deverão ser utilizadas para desenvolver o OA
•Depende do que se tem disponível de recursos

Design
Entradas
•Relatório de análise de contexto
•Especificação de Requisitos
Técnicas
•Modelagem do OA Técnica do OA
•Modelagem Pedagógica
•Divisão em componentes menores
Saídas
•Esboço do OA
•Modelos pedagógicos (mapa conceitual, etc)

Design
•Cada tipo de OA exige um design diferente, como por exemplo:
•Curso
–Sumário executivo
–Mapa de atividades
–Decomposição em unidades menores
•Vídeo:
–Esboço de um storyboard
–Decompor em vídeos menores de forma que cada componente possa ser reaproveitado em diferentes contextos.
•Software
–Prototipação
–modularização do software em pequenos objetos, sendo necessários conceitos avançados na área da computação.
O grande desafio dessa etapa é modularizar o OA de maneira que os conceitos contidos em cada módulo sejam entendidos de forma independente dos outros módulos.

cena2 cena2-2OA final baseado no Esboço que foi realizado http://www.youtube.com/watch?v=svj5vNpAZ8M

Esboço de um StoryBoard – Recomendado para vídeos:

storybioardEsboço – Protótipo de um software – Recomendado para softwaresprototipoWireframe – recomendado para cursos on-line ou objetos na web
wireframeMapa de Atividades – recomendado para cursos
mapadeatividadesmapadeatividades2

Design

Modelo orientado a objetos de um OA do tipo curso on-line
design
design2
Desenvolvimento
Entradas
•Relatório de análise de contexto
•Especificação de Requisitos
•Documento de Arquitetura
Técnicas
•Varia conforme o OA
Saídas
•OA
•Manual de uso de instalação
•Manual de uso do professor
•Manual de uso do aluno

•Desenvolvimento de vídeos
–Roteiro, gravar, decupar, editar
•Desenvolvimento de softwares
–Programar, compilar
•Desenvolvimento de cursos
–Produzir os textos e recursos multimídia
•Nesta fase os manuais também são gerados

Testes
•O processo de teste deve evidenciar a qualidade do trabalho
•Sendo assim, corrigir erros de OAs significa testar os aspectos técnicos e a corretude do conteúdo de aprendizagem.
•Garantir um equilíbrio técnico e pedagógico
•Teste é diferente de Avaliação!
–Testes: buscar melhoria da qualidade técnica, busca melhoria da inclusão de conceitos pedagógicos
–Avaliação: Experimentação dos Oas em sala de aula (presencial ou a distância). É a última etapa da metodologia.

Testes
Entradas
•Especificação de Requisitos
•Casos de testes
•Cenários de testes
•Plano de testes
Técnicas
•Tipos de testes
•Funcionalidade
•Acessibilidade
•Confiabilidade técnica
•Confiabilidade pedagógica
•Precisão
•Portabilidade
•Instalação
•Interoperabilidade
•Usabilidade
•Manutenibilidade
•Eficiência
•Disponibilidade
•Segurança
Saídas
•Evidências de Testes
•Relatório de Erros

erroerro.2giferro3erro4Disponibilização
•Objetivo: compactar e indexar o OA obedecendo os padrões
•Disponibilizar o OA eu um repositório especializado

Disponibilização
Entradas
•AO
•Manual de instalação
•Manual de uso do professor
•Manual de uso do aluno
Técnicas
•Compactação scorm
•Indexação LOM
Saídas
•Instalador contendo o OA, manuais e metadados

Disponibilizado de forma Que possa ser reutilizado Em outros ambientes

dispo

Padrões

 

padroes

Pacote de conteúdo IMS aberto em aplicativo de comactação

padroes2Importando para o Moodle através do pacote gerado no Reload Editor
padroes3
padroes5Avaliação
•Objetivos
–Planejar, conduzir e analisar a avaliação pedagógica do OA para verificar o aprendizado que o OA forneceu

Avaliação
Entradas
•AO
•Plano de avaliação
Técnicas
•Uso de Questionário de avaliação pré e pós
Saídas
•Análise da avaliação

avaliaçãoavaliação2Considerações Finais

conside

•A área de OA ainda é nova e apresenta vários desafios
•Qual seria o mundo ideal?

Referências
•BRAGA, J. ; DOTTA, S. C.; Pimentel, Edson ; STRANSKY, B. . Desafios para o Desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem Reutilizáveis e de Qualidade. DesafIE – Workshop de Desafios da Computação aplicados à Educação. Curitiba. Anais do DesafIE – Workshop de Desafios da Computação aplicados à Educação, 2012.
•AMBIENTE SOPHIA – http://siaiacad17.univali.br/sophia . Acesso em 20/04/2012.
• KRATZ, R. A.; Pinto, S. C. C. S.; Scopel, M.; Barbosa, J. Fábrica de Adequação de Objetos de Aprendizagem. Revista Brasileira de Informática na Educação. v. 15, n. 3, p. 25-38. 2007. Disponível em: http://www.br-ie.org/pub/index.php/rbie/article/view/23/19. Acesso em: 27/05/2012.
• NASCIMENTO, Anna Christina Aun de Azevedo; PRATA, Carmem Lúcia (Orgs.).
•Objetos de aprendizagem: uma proposta de recurso pedagógico. Ministério da Educação / Secretaria de Educação a Distância, 2007. Disponível em:
•http://rived.mec.gov.br/artigos/livro.pdf
• OLIVEIRA, Erica R.; NELSON, Maria Augusta V.; ISHITANI, Lucila Ishitani. Ciclo de vida de objetos de aprendizagem baseado no padrão SCORM. Anais do Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. 2007. Disponível em:
•http://www.br-ie.org/pub/index.php/sbie/article/view/571/557 .Acesso em 20/04/2012.
• PESSOA, Marcello de Castro; BENITTI, Fabiane Barreto Vavassori. Proposta de um processo para produção de objetos de aprendizagem/ Universidade do Vale do Itajaí.
• Rational Software Corporation. 2001. RUP. Disponível em:
•http://www.wthreex.com/rup/portugues/ . Acesso em 26/04/2012.
• RIVED (2008). Conheça o RIVED. Disponível em:
•http://www.rived.mec.gov.br/conheca_rived.php . Acesso em 20/04/2012.
• RUP – http://www.slideshare.net/itakenami/introduo-ao-rup . Acesso em 20/04/2012.
• SOUZA, M. F. C.; Gomes, D. G.; Barroso, G. C.; Souza, C. T.; Castro Filho, J. A.; Pequeno, M. C.; Andrade, R. LOCPN: Redes de Petri Coloridas na Produção de Objetos de Aprendizagem. Revista Brasileira de Informática na Educação. v. 15, n. 3, p. 39-42. 2007. Disponível em: http://www.br-ie.org/pub/index.php/rbie/article/view/16/12. Acesso em: 01/06/2012.