A Impressão 4D é uma tecnologia de fabricação digital que produz objetos no mesmo espaço tridimensional da Impressora 3D, a diferença está na adição da quarta dimensão: uma dimensão temporal para que a modelagem não cesse no momento em que o objeto sai da impressora, e sim continue em resposta ao ambiente.

Materiais ativos, como SMPs (shape memory polymers, materiais que retornam de um estado deformado à sua forma original), podem ser impressos para criar uma microestrutura ativa dentro de um sólido. Após a impressão com esses materiais, eles podem ser ativados de uma maneira controlada para mudar sua estrutura ou configuração em resposta a um estímulo do ambiente.

A inspiração para o novo método partiu de como as plantas se transformam ao longo do tempo a partir de estímulos externos como luz solar, temperatura e umidade. Em estudos recentes, utilizou-se matérias-primas capazes de se movimentar em apenas uma direção e que reagem apenas à água. Os pesquisadores afirmam que outros materiais que reagem a outros elementos como luz solar, vibrações, som e calor, podem ser inseridos.

O conceito de Impressão 4D foi apresentado pelo professor do MIT Skylar Tibbits em uma conferência TED em 2013. O criador e coordenador do projeto, resumiu sua palestra dizendo:

“O que isso nos diz sobre o futuro? Acho que está dizendo que há novas possibilidades de automontagem, replicação em reparação em nossas estruturas físicas, nossos prédios, máquinas. Imagine se nossos prédios, pontes, máquinas, todos nossos tijolos pudessem realmente computar?”